10.5.05

Dermatologia Social

Porque, tal como os tegumentos, também a sociedade é composta de camadas e acne.

Farto de fazer parte de um grupo que escreve regularmente num blog e não é capaz de deixar transparecer, de tempos a tempos, os fetiches que guiam as suas vidas – e que se tem consubstanciado em 'homens em tronco nu', 'gordos que já caíram de cavalos na praia das maçãs', 'orientais que ainda jogam Atari', 'mulheres morbidamente adiposas' ou 'desculpas para colocar uma foto do Fernando Girão ou de uns sósias dos Village People', entre outras –, decidi criar uma nova rubrica. A partir de agora, ao dissertar sobre dinâmicas sociais que me fascinam (‘enervam’ talvez fosse um verbo mais adequado), dou algum espaço aos leitores que não se identificam com as mensagens subliminares (do género “anda lá connosco ao desfile”) que os outros elementos (uns mais que outros, é certo) insistem em promover nesta baiuca.


Má Onda



Apesar de ser um entusiástico adepto, nem tudo no ‘jogo do futebol’ (como algumas amibas se referem ao fenómeno) me fascina. Aliás, há uma coisa que me causa mais espécie que a própria expressão “causar espécie”. A onda. Não sei como começou, mas dizem que foi durante o mundial do México 86 que se tornou mundialmente famosa e, pior que tudo, globalmente reproduzida. O que sei é que representa uma acção que devia tirar do sério até um Papa catatónico (qualquer Papa, portanto), mas, paradoxalmente, até é recebida com um entusiasmo tal que mais parece uma Nossa Senhora às azeitonas na Cova da Iria em 1917. O que mais me intriga na onda é o facto de nunca ter percebido bem como raio começa. Parece-me óbvio que não existem forças celestes que provoquem movimentos inadvertidos ou vindos do nada em indivíduos aparentemente sãos (já me bastaram as aulas de teatro do secundário a tentarem convencer-me do contrário). Logo, o que impele meia dúzia de mentecaptos a levantar os quadris da cadeira e a erguer os braços enquanto, em tom crescente, urram “ehehehehehh’s”, só pode estar relacionado com a mente brilhante dos mesmos. E depois aquilo propaga-se mais depressa que o Ébola numa piscina pública de Kinshasa. Começa na tal meia dúzia de pategos e, antes que eu me prepare mentalmente para os agoniantes minutos que aí vem, já se espalhou pelo estádio inteiro. Do mal, o menos, devo dizer, é o facto de este fenómeno medieval ainda estar, até ver, confinado ao estádio. Mas durante quanto tempo? Será que é apenas uma questão de tempo até começarmos a ver as plateias das salas de cinema a fazer a onda? Ou nos auditórios da faculdade sempre que alguém acerta uma pergunta? Ou na fila do autocarro sempre que o 36 aparece? E que tal na Missa sempre que as hóstias cheguem para todos?

7 comentários:

Mat disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Telmo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Telmo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Tiago disse...

Pedro, não fiques triste por não teres comentários. Sabes que admiro os teus posts. Agora percebo porque é que refilaste quando viste o meu comentário aos tegumentos no post de cima.

Pedro disse...

Refilei porque tegumentos é a minha palavra preferida... a falta de comentários está relacionada com a falta de fotos de homens... aqui só se comentam disso.

Anónimo disse...

This is very interesting site... hivaids financial planning medicaid trust programs for high school Sears on line bill pay

Anónimo disse...

Cool blog, interesting information... Keep it UP » »