26.4.07

As Anedotas do Zé Socas

Todos os dias, no intervalo para o almoço, venho ao blog olhar para as fotografias. Não leio nada, apenas olho para as imagens porque aqui no trabalho não temos janelas. Quero dizer, ter até temos, mas só dão para vermos pés e cães a passar. É o mal das caves. Isso e o cheiro a mofo. Já as inundações não me chateiam tanto. Aliás, é como tudo. Tem dias.

Hoje aconteceu uma coisa estranha: ao olhar pela enésima vez para a fotografia do Sócrates, ali no post mais abaixo e que aqui reutilizo, apercebi-me que o Sócrates está a fazer um fixe. Afinal de contas, acho que desde o 25 de Abril de 74, que já se deixou de usar aquilo de meter o polegar para cima ou para baixo para votar na Assembleia da República, ou lá o que era aquilo, com os leões e as pessoas à volta. Logo o primeiro ministro já não faz fixes para ninguém. Isto é, se não considerarmos as ocasiões em que ele o faz em frente ao espelho.

Se analisarmos bem a imagem, com olhos de analisar e tudo, vemos que o polegar está um bocado esquisito. Cá para mim só pode ser uma montagem fotográfica, feita para uma campanha eleitoral. É claro que essa montagem foi feita antes do choque tecnológico, daí que as aptidões de photoshop da malta da sede de campanha não serem grande coisa. No fundo, até consigo encontrar uma outra explicação para o polegar esquisito do Sócrates. Mas é um bocado mórbida. Que se lixe, direi na mesma.

Então cá vai! Partida... lagarta... fugida! Ah bolas! Foi quase! Agora é que é... 1... 2... 2 e meio... e trrrr... ...ês! Eleestáasegurarnumpolegarquearrancouaoutrapessoapossivelmenteum
traidorouatémesmoumqualqueradversáriopolítico!
Querem que a repita mais devagar? Ok, então vá. Dizia eu que ele está a segurar num polegar que arrancou a outra pessoa, possivelmente um traidor ou até mesmo um qualquer adversário político.

Ou então é daqueles dedos falsos que se compravam nas lojas do chinês. Não destas d'agora, mas daquelas que apareceram aí à uma porrada de anos atrás e que até tinham coisas bem porreiras como candeeiros de lava e aquelas latas de coca-cola que eram um rádio e que tinham uns óculos de sol e uns phones e dançavam. De qualquer forma, o efeito pretendido com esta história do dedo é o mesmo em qualquer uma das hipóteses: melindrar os oponentes e ganhar o respeito da população recenseada. Porquê? Não sei.

Seja como for, e como não tarda é noite, o melhor mesmo é concluir este texto para chamar a vossa atenção para o aspecto mais relevante desta imagem, que até foi o que me deu a ideia para escrever mas depois quase que me ia escapando. Então não é que o Sócrates parece o Cantiflas Português nesta fotografia!? Pá, olhem bem para a zona assim mais da cara e isso. É ou não é? Hã? Claro que sim!


2 comentários:

Pedro disse...

Esteve a comer foi mousse. Da panela, feito lambão. Acontece-me todos os dias.

João disse...

Também já tinha ouvido esse boato de que ele comia mousse da panela. Mas também já me disseram que não, que só gosta de mulheres.