22.8.05

A Mulher Moderna III



ETIQUETA JAPONESA

Gosta de comida japonesa? Então, já deve ter presenciado alguém a tomar missoshiru com colher, gesticulando com o hashi na mão, arrastando a molheira com o hashi, ou espetando o hashi no arroz. Esses pequenos deslizes podem passar despercebidos num almoço ou jantar informal. Mas, de acordo com a etiqueta social japonesa, são gafes imperdoáveis.
É claro que essas regras se tornaram mais flexíveis, uma vez que foram adaptadas aos modos da nossa sociedade. Um exemplo: os japoneses têm o costume de fazer barulho enquanto tomam sopas como misoshiro, lâmen e sômen. Para nós, esse costume parece falta de educação.
Abaixo, damos algumas dicas para não passar vergonha numa reunião informal num restaurante japonês:

Boas Vindas
Quando se entra em um restaurante japonês, é um costume alguém recebe-lo com um sonoro irashaimase. Basta o cliente responder com um aceno com a cabeça.

A Toalha
Aquela toalha que o garçon traz assim que os clientes chegam é para limpar as mãos, quando se sentam à mesa. Depois de limpar as mãos, é só coloca-la sobre a mesa novamente, sem dobrá-la. No Japão é hábito limpar a testa, o rosto inteiro. Se fizer isso, explique ao seu acompanhante que no Japão é um hábito comum.

A Ordem dos Pratos
No caso de uma refeição simples, com missoshiru, arroz, misturas e tsukemono, háverá uma ordem exacta para degustar os alimentos? Não. Geralmente os japoneses começam pelo sashimi, mas não há uma ordem exacta. Enquanto se espera pelo prato é bom pedir uma entrada leve. Também não há problema em pedir uma entrada quente antes de comer sashimi. Antes e durante a refeição é bom pedir chá verde para preparar o paladar para o próximo prato.

Saquê?
O massú é aquele recipiente quadrado usado para o sake frio e o tyoko é o recipiente para o sake quente. Devem ser segurados com as duas mãos. Se o massú vier acompanhado por um pires, o que geralmente acontece, devemos pegar apenas o massú e leva-lo à boca. Nunca se incline à mesa.

Os Pauzinhos
A maneira correcta de pegar o hashi é sempre do meio para cima, e nunca na parte inferior, pois dificulta o movimento. Não se deve espetar o hashi na vertical, pois isso refere-se à morte, missa e rituais religiosos. Chupar a ponta do hashi é também falta de educação. Evite apontar para as pessoas ou gesticular com o hashi na mão. O hashi sempre deve ser apoiado no suporte próprio para isso, de preferência, paralelo ao corpo, pois é mais fácil de pegá-lo depois. O ideal é que fique o mais escondido possível e que não aponte para as outras pessoas. No caso de não haver suporte, faça um dobrando a própria embalagem do hashi.

Os Molhos
Os molhos só devem ser utilizados com peixe crú. Nos sushis com alga e recheio de legumes não se deve colocar shoyu. No caso do sushi, devemos mergulhar a parte do peixe no shoyu e não o arroz, pois pode desmanchar-se. Além disso, o arroz já é temperado e o peixe não. Tanto o sushi quanto os espetos devem ser segurados com a mão e não com o hashi. O sushi deve ser degustado numa única vez. Os bons restaurantes fazem os sushis no tamanho certo para isso. Quando há opção de molhos, o anfitrião deve oferecer mas não colocar o molho no prato dos convidados, pois cada um serve-se se quiser.

Sopa com BARULHO!
O harumaki pode ser cortado com garfo e faca.No caso do missoshiro, deve levar-se o tchawan próximo à boca. Para tomar o caldo, pode continuar a segur o hashi ou descansá-lo. Nunca tome o caldo manipulando o hashi no tchawan. No caso do lamen e do udon, o barulho acontece por causa do comprimento dos fios de massa. Mas não é falta de educação não fazer o barulho. O caldo do lamen pode ser tomado com uma colher própria, que já vem com o prato. No final, pode levar o tchawan do lamen à boca.

Como Segurar os Tchawan?
Sempre com a mão direita e nunca colocar o dedo polegar para dentro do tchawan. No caso das mulheres, é correcto pegá-lo com as duas mãos.

Garfo e Faca
Não é falta de educação usá-los. Mas se o anfitrião convidou o cliente para almoçar num restaurante japonês, é aconselhável que saiba manipular o hashi. No caso do convidado se encontrar numa situação como essa, não é falta de educação pedir talheres, pois a nossa cultura é ocidental. Mas é preciso tentar com o garfo e a faca ter a mesma conduta do hashi. Antes de pedir os talheres, é aconselhável pedir aquele hashi que é preso pelas pontas superiores, que se assemelham a uma pinça. A maioria dos restaurantes japoneses tem esses hashis para as pessoas que não sabem manipular os hashis.

13 comentários:

Pedro disse...

Tenho que ler isto tudo? Não posso comer um bitoque?

Mat disse...

Pois é, quando chego a metade do texto já estou a dormir.

João disse...

O Kill Bill também era grande e voces viram o filme até ao fim.
Além disso, isto é uma rubrica para mulheres... certamente também se sentem confortáveis com cintas, saltos altos, soutiens e combinações.
Voces têm é inveja dos meus poderes literários.

Catarina disse...

Eu achei interessantíssimo. Deve ser porque sou viciada em japonga. :)

João disse...

Estão a ver? Elas gostam...

Pedro disse...

Não são elas que pagam...

Mat disse...

Kochikochi!!! (Seca em Japonês)

Tiago disse...

O João não quis aproveitar esta, e como eu acho que merece publicação, aqui fica:

O Dino ri-se a ver um filme do Dino Risi.

Pedro disse...

Tiago, lamento, mas já temos um maluco para fazer esses trocadilhos...

João disse...

E ao menos o maluco até tem critérios de qualidade...

Inês Ramos disse...

"O Kill Bill também era grande e vocês viram o filme até ao fim." - Bem respondido! Eu até vi mais que uma vez! Adorei este artigo pois adoro a culinária nipónica! "Arigato!"

Tiago disse...

Bolas João, you really know your way with the ladies.

Pedro disse...

Damn it John, tu sabes bem o teu caminho com as damas.