9.9.06

Steve Irwin



56 Km. É este o comprimento da linha que um lápis inteiro consegue desenhar. Mas quanto medirá a linha que Deus traça com o seu lápis mágico e a que muitos chamam de vida? Ninguém sabe. É que por muito grande que seja o lápis, o bico pode partir-se em qualquer altura. Por isso digo sempre, a quem se chega a mim em busca de um conselho sábio ou de indicações para chegar à farmácia de serviço, o seguinte: “A vida é como uma lapiseira porta-minas, há que aproveitar cada bocadinho como se fosse o último, pois num instante se acabam as minas 0,5 e quando vamos ver o colega do lado só tem minas 0,3”. E as pessoas lá seguem o seu caminho, felizes e contentes... coitaditas.

Isto tudo para dizer o quê? Ah! Probabilidades! Pois... a vida é feita de probablidades. Já dizia o outro que para morrer num acidente aéreo, seria preciso voar todos os dias durante vinte e nove mil anos pois em termos de mortes, os aviões são sete vezes mais seguros do que as bicicletas e sessenta vezes mais do que andar de moto sem capacete. Não me parece que isto seja inteiramente verdade, até porque não me recordo de nenhuma vítima de acidente aéreo que tivesse uma idade assim tão avançada. Enfim... diz também que, a cada segundo caem oito raios em qualquer lugar da Terra, e as hipóteses de se morrer atingido por um raio são de uma em um milhão, isto quer dizer que um gajo... coiso... ora bem... três vezes nove vinte sete e aí vão dois... isto em euros dá... arredondando por cima... coisa pouca, uns dois vá. Ou seja, uma moeda das grandes. E a vida é isso, uma moeda grande que às vezes sai cara, outras coroa. E ninguém sabia isso melhor do que Steve Irwin (quero dizer, talvez as quinze pessoas que já morreram por terem sido esmagadas por máquinas de bebidas quando tentavam abaná-la de modo a obterem bebidas grátis, talvez também já tivessem essa consciência).

Steve Irwin nasceu na cidade de Melbourne, em 1962, mas quando tinha oito anos, os pais mudaram-se para Queensland que despertou o seu interesse pela vida selvagem. Apanhou o seu primeiro crocodilo à mão e sem qualquer tipo de talher, mas já antes disso caçava ratos para alimentar a sua pitão de estimação, que se chamava “Monty”. Colocou o seu talento ao serviço da comunidade, caçando crocodilos que ameaçavam casas e assim, trazendo-os para casa dos pais, prometendo aos mesmo que lhes daria banho, de comer, que os passearia todos os dias e que limparia as porcarias que eles fizessem no tapete da sala. A determinada altura, a confusão lá em casa era tanta que a mãe perguntou-lhe: “mas isto agora é um jardim zoológico, é?” Não era, mas passou a ser. Steve abriu o ‘Australia Zoo’, que se tornou rapidamente numa das principais atracções da Austrália.
Foi lá que apanhou a esposa Terri, - usando apenas as suas próprias mãos e, novamente, sem qualquer tipo de talher - e de quem teve dois filhos. Passaram a lua-de-mel a “caçar crocodilos” e o filme que daí resultou lançou-o para a fama mundial. Intitulava-se “Crocodile Dundee”, acho eu .

Em 2004, este “Noé dos nossos tempos” foi criticado por alimentar um crocodilo enquanto segurava o seu filho Robert, de apenas um mês. O caçador de crocodilos defendeu-se afirmando que “os crocodilos são a minha profissão, e que seria bem pior se tivesse a alimentar o meu filho enquanto segurava num crocodilo”. Foi também acusado de perturbar baleias, focas e pinguins numas filmagens de um documentário na Antárctida, onde pelos visto, têm gente de sono leve e de feitio implicativo.

Steve afirmava nunca ter sido mordido por uma cobra ou de ter sofrido nenhum ferimento grave nos seus arrufos com os crocodilos. Também nunca foi atingido por um raio, até porque como referi anteriormente as probabilidades disso acontecer são bastante remotas.
Uma outra coisa que é um bocado perigosa é o “ser-se atingido por uma raia”. Ninguém fala disso e eu acho mal, o que é que querem? Acho e pronto! Diz quem sabe que os ataques das raias não são muito comuns. A raia é um animal pacífico e há apenas registo de três ataques mortais no último meio século. Pois bem, especialistas, risquem lá mais um traço de giz na lousa onde estão a fazer a contagem, porque na passada segunda-feira, durante a filmagem de um documentário, Steve foi atingido pela cauda de uma raia, e o espigão trespassou-lhe o músculo cardíaco, e coiso... morreu.

É uma porra! Com tanto australiano para picar, o raio da raia teve de escolher este! O Russel Crowe não servia, era? Resta-nos agora, prestar a devida homenagem a este herói da televisão do domingo de manhã, e chorar por ele grandes e sentidas lágrimas de crocodilo. See you later, Aligator…

16 comentários:

Pedro disse...

Isto quer dizer que, num duelo, uma raia ganha a um crocodilo? Chiça, ele há coisas do caralho, hã?

Headache disse...

(o Russel Crowe é Neozelandês...)

Me Hate disse...

Hum... a raia... por sinal, não é assim um animal tão pacifico... ou então nesse dia estava um pouco chateada (quiça com crocodilos...) e decidiu dar uma de "Éh pá ANDOR daqui para fora!" e não é que o gaijo foi mesmo de andor? Ah pois é, ele há coisas do arco da velha... mas julgo que só mesmo na Austrália...

João disse...

Eu recuso-me a aceitar que a Nova Zelândia seja considerada um país. Primeiro, não existem vestígios de uma Antiga Zelândia o que faz com que se fundamente em meras falsidades. Segundo, um país que foi fundado por ovelhas e hobbits não merece ser considerado como tal. Para mim faz e fará sempre parte rdesse grande continente que é, ou que pelo menos deveria ser, a Austrália.

Sacrilegius disse...

Finalmente um texto com piada

Sacrilegius disse...

João : À Nova Zelândia também lhe custa aceitar-te como país. Acho que ela faz finca pé nisso.
Estão quites.

João disse...

Finalmente um comentário com piada!

Ah não! Caraças, pá... é que assim ao longe parecia mesmo.

Mat disse...

Toda gente sabe que Nova Zelândia foi descoberto por um Holandês. Zelândia (Zeeland em Holandês ou seja "terra do mar")é uma zona nos Paises Baixos, dai o nome. Há mais exemplos assim: Nova Iorque, Nova Orleans, Nova Deli.

João disse...

E o belga que não viesse para cá com a suas! E o Feira Nova, essa grande nação dos preços baixos, também foi descoberta pelos holandeses, foi?
Eu também sei ir ao wikipédia pá, apenas opto por não fazê-lo...

Pedro disse...

Olha, a Nova Gente foram eles que descobriram... que eu fui saber e diz que coiso.

Nan disse...

uma filha duma granda raia é que matou o steve e vcs curtem uma de geografia e história.
já agora...
- houve um antigo portugal?
nã! - responderão
- e um novo portugal existiu ou existe?
- com essa é que nos lixaste! - e bota abaixo outra cerveja que os tempos não estão para grandes introspeções.

mas isso agora não interessa pra nada.
o que eu vinha dizer ao joão é que, embora eu tenha percebido o trocadilho, cai mal, pah!
é que chorar lágrimas de crocodilo é chorar lágrimas falsas. pergunta à tua avó, vá...

João disse...

Olha outra que acha que sabe tudo... Fique sabendo que minha avó também já morreu e que chorei muitas lágrimas de crocodilo. Porquê? Há mal nisso, há?

Sacrilegius disse...

Redacção

O meu crocodilo.

Eu tinha um crocodilo quando era pequenino.
Veio num pack promocional do Feira Nova, tipo aquelas coisas : "Adira ao cartão e ganhe um crocodilo".
O pobrezinho morreu.
Como se recusava a aceitar a Nova Zelândia como país, foi cruelmente morto por ovelhas e hobbits.
Nesse dia chorei muitas lágrimas de avó.

Fim

Tiago disse...

Esta foto não é do Steve Irwin. É o cartaz promocional do biopic que estão a fazer sobre a vida dele.
Só não consigo perceber se o actor é o Tim Allen ou o Will Farell.

João disse...

Olha outro choné! Claro que é ele! Quem mais consegue fazer um ar de "puto que recebeu o castelo de Greyskull no Natal" e segurar um crocodilo ao mesmo tempo?

E porque raio vão fazer outro filme sobre ele? O Crocodilo Dundee III não faz sentido hoje em dia. Além disso já toda a gente sabe que ele vai morrer no fim.

Pedro disse...

Vai haver é o Crocodilo Dune. É com crocodilos e assim no futuro e isso.